• Jorge Antonio

FIQUE ATENTO AO SEGURO DO SEU CONDOMÍNIO




O seguro do seu condomínio está em dia? Preste bastante atenção nesse post, pois as consequências de um seguro mal feito para o seu condomínio pode ter prejuízos gigantescos.

A ausência de contratação do seguro obrigatório poderá é responsabilidade do síndico e estará suscetível a cobranças judiciais que podem chegar a 10% do valor segurável.

Caso o condomínio seja avaliado em R$ 20 milhões, a multa pode chegar à casa dos R$ 2 milhões.

A contratação do serviço é uma obrigação do síndico e está prevista em lei (Art. 1.346, do Código Civil), sendo que, em alguns casos, é também obrigatória a contratação do seguro de vida de todos os funcionários do condomínio.

Art. 1.346. É obrigatório o seguro de toda a edificação contra o risco de incêndio ou destruição, total ou parcial.

O síndico é o único responsável pela contratação do seguro obrigatório do condomínio, respondendo ativa e passivamente em juízo ou fora dele. Seu dever é garantir a proteção de toda a edificação contra o risco de incêndio ou destruição, total ou parcial, devendo ficar atento também a questões como defasagem ou ausência de coberturas imprescindíveis na apólice.

Fique atento, em empreendimentos novos deve ser realizado, no máximo em até 120 dias da concessão do habite-se, sujeito a multa aplicada pelo Governo Federal.

Caso ocorra um acidente e o seguro não tenha sido contratado, o síndico pode ser processado pelos demais condôminos por perdas e danos.

Nós da B&S Administradora de Condomínios, prestamos um serviço de excelência, auxiliando e orientando sobre os valores e coberturas a serem contratadas.

Na hipótese de erro e ocorrência de prejuízos graves ao prédio, o síndico pode ter que indenizar os demais moradores até mesmo com o seu patrimônio pessoal.

Vale a pena lembra-los que a cobertura do seguro condominial não recai sobre o conteúdo da unidade, ou seja, o proprietário do apartamento deve realizar o seguro residencial para a sua própria unidade.

“O barato sai caro”

Muitos síndicos acabam optando pelo menor custo de seguro para seu condomínio, e acabam não prestando atenção em alguns detalhes importantes.

Dentre os seguros existentes no mercado, o seguro de condomínio é o mais barato. O preço não deve ser determinante para a contratação da apólice. Atente-se primeiramente em contratar um seguro com um corretor especialista e que tenha a habilitação da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP.

Outro fator importante é a escolha da seguradora, que deve ter condições de assumir as coberturas contratadas em caso de sinistros.

“Não fique no automático”

A renovação automática não é recomendada porque compromete o poder de escolha do cliente e pode sair mais caro no final das contas. Compare e pesquise ofertas do mercado.

As renovações dos seguros devem ser realizadas anualmente pelos síndicos de forma continuada, sem interrupções, sendo essencial a revisão programada de valores e de coberturas.

Use seu bônus para conseguir desconto. Muitas companhias oferecem um bônus para clientes que não fazem uso do seguro ao longo do ano. Verifique com a sua seguradora se você tem direito a bônus e aproveite usá-lo na renovação do seguro.

“Turbinando sua apólice básica”

Todos os condomínios são obrigados por lei a contratar seguro contra risco de incêndio, queda de raio e explosões de qualquer natureza. Quando a cobertura básica não atende plenamente a necessidade do segurado, é importante que o síndico aumente a proteção e contrate apólices adicionais que deem garantias contra todas as situações que o empreendimento está sujeito, como coberturas acessórias destinadas ao conteúdo das unidades autônomas, vida de funcionário e responsabilidade civil. Confira algumas das principais coberturas:

Básica Simples: Cobre danos causados pelos riscos de incêndio, queda de raio, explosão por qualquer natureza e queda de aeronave.

Básica Ampla: O condomínio estará protegido contra danos à estrutura do prédio, ou seja, uma única cobertura contempla várias garantias, como: incêndio, explosão, fumaça, queda de aeronaves, vendaval, impacto de veículos, danos elétricos, quebra de vidros, tumultos, greves e lockout, portões, alagamento, desmoronamento e vazamento de tanques ou tubulações, exceto eventos excluídos, devidamente detalhados nas condições gerais do seguro.

“O seguro deve cobrir”

Responsabilidade civil do síndico - Cobre atos que gerem sinistros ligados a atribuições do síndico, que causem danos a terceiros, exceto dolo (situações que indiquem má-fé, fraude etc.).

Responsabilidade civil do condomínio - Reembolso, ao condomínio, por danos materiais causados a terceiros, inclusive condôminos. Vale para situações em decorrência de acidentes havidos nas áreas comuns do edifício, que estejam relacionados à conservação das instalações pertencentes ao condomínio. Reclamações ligadas a alagamento, infiltração, entupimento, entre outros, não estão previstas na cobertura.

Vendaval, Furacão, Tornado e Queda de Granizo - Garante, até o limite máximo de indenização estabelecido na apólice, a restituição por perdas e danos materiais diretamente causados aos bens seguráveis por ventos fortes, com velocidade superior a 54 km/h, para áreas comuns do condomínio e tudo que faça parte da estrutura do prédio. Ficam de fora toda a parte do mobiliário, vestuário, animais e objetos de uso pessoal dos condôminos.

Danos Elétricos - Neste fica segurada indenização por perdas e danos materiais diretamente causados a quaisquer máquinas, equipamentos ou instalações eletrônicas ou elétricas de uso comum do condomínio, devido a variações anormais de tensão ou curto-circuito. Não cobre equipamentos eletroeletrônicos dos condôminos.

Vidros, espelhos e mármores - Destinada a amparar a quebra inesperada e acidental de vidros, espelhos, mármores e granitos (exceto piso), instalados nas áreas comuns do condomínio, pela imprudência ou culpa de terceiros, por ato involuntário de condôminos, de empregados ou ainda pela ação de calor artificial, choque térmico ou chuva de granizo. Ficam excluídos dessa cobertura situações em que os vidros não estejam fixos, que não componham a fachada e todos os instalados em áreas privativas.

Alagamento - Garante os danos materiais ao condomínio pela entrada d’água proveniente de aguaceiro, chuva, enchentes, sejam eles ou não consequentes da obstrução ou insuficiência de esgotos, galerias pluviais ou similares.

Desmoronamento - Assegura os danos causados ao condomínio e sua estrutura, em decorrência do desmoronamento total ou parcial, caracterizado neste caso pela queda de muros de divisa ou elementos estruturais, tais como paredes, pilares, vigas e lajes.

Portões - Essa cobertura é destinada a amparar os prejuízos aos portões e cancelas, que devido a um fechamento brusco ou uma queda sofreram danos físicos. Está coberta também a falha mecânica ou manual (acionamento indevido do controle) de abertura e fechamento do portão ou da cancela. Vale ressaltar que algumas seguradoras amparam o portão eo veículo nessa cobertura, enquanto outras cobrem apenas o portão. Não estão cobertos acidentes por inabilidade dos condôminos ou pelo descumprimento de alguma regra.

Roubo e furto qualificado dos bens do condomínio - Garante a indenização por roubo e/ou furto qualificado de bens de propriedade do condomínio, enquanto existentes no Condomínio (áreas comuns). Assegura ainda os danos materiais causados a tais bens durante a prática do roubo e/ou furto qualificado ou ainda quando caracterizada a simples tentativa de tais delitos. Fica de fora toda a parte do mobiliário, vestuário, animais e objetos de uso pessoal dos condôminos.

“Acionando o sinistro”

O síndico deve avisar seu corretor de seguros ou a seguradora o mais breve possível. Tenha em mãos todas as informações do evento, como por exemplo: data, horário, descrição dos bens atingidos e dos fatos ocorridos. Com isso o corretor poderá orientar como proceder de acordo com cada tipo de sinistro e imediatamente fará a abertura do processo. É muito importante preservar o local sinistrado, não retirar peças ou realizar reparos sem anuência da seguradora. A seguradora poderá designar um perito ao local.

Por fim, o prazo de análise começa a ser considerado a partir da entrega de toda a documentação solicitada e não pela data do sinistro.

12 visualizações
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon